Ainda em conflito, Simba e operadoras de TV não conseguem entrar em acordo

Publicidade

0
Simba
Foto: Divulgação

A negociação entre a Simba e as principais operadoras de TV paga do país para que o SBT, Record e RedeTV! retornassem para os assinantes de Net, Claro e Sky na Grande São Paulo e no Distrito Federal já no próximo dia 1º estava indo bem. Mas algo aconteceu e esse “acordo” desandou mais uma vez.

Segundo informações do site UOL, vários detalhes técnicos e contratuais fizeram com que as operadoras voltassem atrás. As operadoras querem que a Simba – joint-venture que representa as três TVs – assine documento liberando os sinais sem nenhuma cobrança por enquanto e com um bom prazo para que as negociações continuem. Prazo de no mínimo um ano.

Esse conflito vem acontecendo desde 29 de março, em São Paulo, quando por determinação da Simba os sinais foram cortados da Net, Claro e Sky. Desde então, as negociações tiveram vários altos e baixos. A Simba sentou à mesa de negociações com uma proposta de quase R$ 3,5 bilhões anuais, o que foi considerada absurda.

A empresa chegou a baixar suas pretensões. Primeiro para R$ 840 milhões e, mais tarde, para cerca R$ 1,00 por assinante do país (o que renderia quase R$ 18 milhões mensais para a Simba).

As operadoras se negam a pagar somente pelos sinais abertos. No entanto não descartam remunerá-las caso apresentem propostas de novos canais exclusivamente pagos Afinal, Globo e Band recebem pagamentos – mas só porque seus sinais abertos fazem parte de cestas de outros canais exclusivamente pagos.

Só que os três canais da Simba nunca investiram um centavo em TV por assinatura nos últimos 25 anos. Mesmo assim querem receber por seus sinais abertos. Bom, até o momento, nenhum plano de novos canais Simba foi apresentado.

Compartilhar
Jornalista. Redatora do Portal N10 Entretenimento e social media da Web TV Resolvi Casar. Trabalhou como repórter nas Prefeituras do Jaboatão dos Guararapes e da cidade do Recife e atuou como estagiária de jornalismo na AD Diper - Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco.