Especial Raul Seixas 70 anos – O Meio: “Eu não sou somente Ouro de Tolo”

Publicidade

0

Em uma entrevista no Teatro Tereza Rachel, no show “Nunca É Tarde Demais Para Começar Tudo De Novo”, Raul Seixas já alertava: “Eu não sou somente Ouro de Tolo”. E realmente não era. O eterno “Maluco Beleza” compôs músicas transcendentais, que atravessam os limites do passado e do presente e que beiram o abismo do futuro. Há 70 anos, no dia 28 de junho, nascia o maior cantor de rock nacional que esse país já teve. Ele, que não é apenas “o cantor”, é considerado por muitos o “Pai do Rock Brasileiro”. Tanto, que muitas de suas músicas são regravadas por outros cantores e fazem muito sucesso.

Veja também: Especial Raul Seixas 70 anos – O Início: Só quem é fã de Raul vai entender…

                          Especial Raul Seixas 70 anos – O Fim: Um moleque maravilhoso

Em sua carreira como produtor musical, Raul Seixas trabalhou com grandes nomes da Jovem Guarda. Em seu compacto duplo “Papel Picado”, lançado em 1969, Leno registrou “Um Minuto Mais”, versão de Raulzito para “I Will” (nada a ver com a canção de Paul McCartney). Leno também gravou uma segunda versão da música “S.O.S” composta por Raul. Ao lado de Leno, Raulzito participou do disco “Vida e Obra” de Johnny McCartney, disco solo de Leno, em que ambos buscam novos caminhos e experimentações. Juntos assinam letras e composições em parcerias. Foi o primeiro LP gravado em oito canais no Brasil. As letras do disco foram censuradas e ele acabou não sendo lançado na época.

"Só vim curtir meu rockezinho antigo que não tem perigo de assustar ninguém"
“Só vim curtir meu rockezinho antigo que não tem perigo de assustar ninguém”

Jerry Adriani também apostou no talento de Raul e, no álbum de 1969, aproveitou para gravar uma de suas músicas: “Tudo Que É Bom Dura Pouco”. Naquela mesma época, outros ídolos da Jovem Guarda também apadrinharam Raulzito gravando suas letras, como Ed Wilson, Renato e seus Blue Caps e Odair José. O ano de 1970 marcou o início de uma fase muito ativa na carreira de Raulzito, como produtor da CBS. Primeiramente, suas composições passaram a ser gravadas pelos artistas do cast da gravadora. Passou o ano produzindo discos para Tony & Frankye, Osvaldo Nunes, Jerry Adriani, Edy Star e Diana, além de escrever uma quantidade enorme de músicas para os colegas da gravadora. Algumas de muito sucesso, como “Doce Doce Amor” (Jerry Adriani), “Ainda Queima a Esperança” (Diana) e “Se Ainda Existe Amor” (Balthazar). Raulzito nessa época passa a ter um bom emprego de respeitado produtor, que conseguiria lançar suas composições como hits na voz de outros cantores e produzir grandes artistas. Mas, o Maluco Beleza não se conformava apenas com isso, ainda mais quando conheceu o amigo e parceiro Sérgio Sampaio, passando cada vez mais a realimentar o sonho de quando ainda morava em Salvador, que era ser um cantor.

Este raro vídeo mostra Raul e Jerry Adriani cantando “Doce, doce amor” juntos (O áudio está com uma qualidade ruim):

Uma semana após ser baixado o Ato Institucional Número Cinco (AI-5), que dava poderes extraordinários ao Presidente da República e suspendia várias garantias constitucionais, Raul, inconformado, compôs “Doce, Doce Amor”, com versos que de romântico não tinham nada: “Está fazendo uma semana que sem mais nem menos eu perdi você”. Esta é uma clara referência à perda de liberdade imposta pelo AI-5. E para não ser mais uma vez censurado, Raul entregou a música para Jerry Adriani, e “Doce, Doce Amor” tornou-se um grande sucesso “romântico”.

Jerry Adriani faz homenagem a Raul Seixas em seu show:

Outra canção de Raulzito que talvez muitos ainda não saibam é “Ainda Queima A Esperança”, que ficou notabilizada na interpretação da cantora romântica-popular Diana, em 1971. O hit já foi regravado por diversos artistas. Leonardo é um deles, e a música continua sendo tocada até os dias de hoje.

Composta em parceria por Raul Seixas (então produtor de Diana) e Mauro Motta, “Ainda Queima A Esperança” foi lançada inicialmente em compacto simples, em 1971. O enorme sucesso comercial – que chegou ao 7° lugar na relação dos 50 discos mais vendidos em dezembro daquele ano, segundo a Nopem (que fazia pesquisa de mercado sobre venda de discos), ajudou a alavancar a carreira de Diana, que no ano seguinte teria lançado seu primeiro álbum de estúdio, “Diana”.

Ainda Queima A Esperança:

No vídeo abaixo, Diana agradece a Raul Seixas:

“Você de uns dias pra cá vem mudando demais o seu modo de ser”. Este é um trecho da canção “Se Ainda Existe Amor”, gravada por Baltazhar na década de 70 e que também é composição de Raul Seixas.  A canção, que continua fazendo sucesso nos dias atuais, já foi regravada por Leonardo, Chiclete com Banana, Maria Cecília e Rodolfo e vários outros cantores.

Relembre a canção “Se Ainda Existe Amor”:

Outra música que faz muito sucesso atualmente em outras vozes é “Aluga-se”. Composta em parceria com Claudio Roberto, amigo de Raul, e gravada no álbum “Abra-te Sésamo”, na década de 80, a canção foi censurada durante o período em que o país vivia a Ditadura Militar. Regravada pelos Titãs em 1999, a música fez tanto sucesso que foi incorporada nos shows da banda. O mesmo aconteceu com a Camisa de Vênus. No ritmo de samba-rock, em 2012 a canção deslanchou com o grupo Sambô, que preferiu dar um estilo diferente para a melodia de Raulzito.

Raul, que compôs “A Maçã” com Paulo Coelho e Marcelo Motta, em 1975, teve sua canção regravada em 1993 pela cantora Deborah Blando, que a inseriu no seu álbum “A Different Story”. Em 2001, o cantor nordestino Zé Ramalho gravou 12 músicas do “Pai do Rock” no disco “Zé Ramalho canta para Raul Seixas”. Além disso, Zé reserva uma parte dos shows que faz para cantar duas ou três músicas em homenagem ao poeta e filósofo Raulzito.

Este raro vídeo mostra Raul Seixas e Zé Ramalho em 1984, no RJ:

Zé Ramalho canta Gita e Medo da Chuva:

Considerado referência do folk-rock brasileiro, o cantor e compositor Zé Geraldo regravou a música “Cachorro Urubu” de Raul Seixas em parceria com Paulo Coelho. Em meados dos anos 80, durante uma apresentação no Sesc Pompéia em São Paulo, o cantor percebeu que uma grande parcela do seu público é também fã do compositor Raul Seixas, o qual considera o maior mito da música brasileira, e desde então passou a tocar músicas de Raul durante os seus shows. Em homenagem a Raul, Zé Geraldo compôs a música “Assim Falou O Poeta”.

Assim Falou O Poeta, uma homenagem a Raul Seixas:

O cantor e compositor Belchior também regravou uma música do Maluco Beleza. Em 1984, no álbum “Cenas do Próximo Capitulo”, Belchior gravou a canção “Ouro de Tolo”. Além disso, o músico canta músicas de Raul Seixas durante os seus shows.

Compartilhar