Paul McCartney diz que morte de Lennon o transformou em ‘mártir’

Publicidade

0
Publicidade

(ANSA) – Paul McCartney parece não ter deixado a frustração de lado ao ver no que a morte de John Lennon transformou o líder dos Beatles. Em entrevista à “Esquire”, o artista afirmou que o assassinato do colega o “transformou em um mártir”. “Até aquele momento, eu, George e Ringo éramos os Beatles como John. Depois [do homicídio], Lennon era os Beatles, só ele”, disse à publicação. O cantor ainda explicou que, após o fim da banda, ele evitava tocar as músicas famosas como uma forma de “se autoafirmar” na carreira.

McCartney comparou a morte de Lennon com as de John F. Kennedy ou de James Dean, que tornaram ambos mitos mundiais. O artista ainda criticou a postura de Yoko Ono, com quem o líder da banda era casado, pelas afirmações de que só Lennon fazia todo o trabalho musical. “John fez muita coisa boa, inclusive depois dos Beatles. Mas, também fez muita coisa ruim”, destacou. Sobre as turnês que continua fazendo, McCartney explicou que nunca pensou em se aposentar e que isso “é o meu trabalho”. Ele não se cansa da rotina de shows e diz que a “reação do público” quando canta suas músicas é “inexplicável”.

Publicidade
Compartilhar