Pensei, Digitei: Injustiça e má interpretação causam demissão de Marcão do Povo no ‘Balanço Geral – DF’, da Record TV

Publicidade

0
Publicidade

Se vocês vão chamar minha crítica de ‘puxa-saquismo’ ou algo do tipo, fique à vontade. Vim usar este espaço para defender a honra e, acima de tudo, a ‘lingua brasileira’ e o próprio brasileiro, que nesse caso, em questão, estamos falando do apresentador Marcão do Povo.

Semana passada, na edição regional do ‘Balanço Geral’, Marcão do Povo apresentava o famoso quadro de sucesso e grande audiência do programa, ‘Hora da Venenosa’, quando foi comentar uma nota sobre Ludmilla, afirmando que a cantora combinava desculpas com os garçons de um restaurante para evitar fotos com fãs. Que a Ludmilla foge dos fãs até ao ponto de querer se passar por outra pessoa, ninguém comenta? Mas, isso não vem ao caso, hoje. Marcão comentou os dizeres: “É uma coisa que não dá para entender. Era pobre, macaca…pobre, mas pobre mesmo. Eu sempre falo para os meus amigos: eu era pobre e macaco também. Eu era não…eu sou rico hoje, de saúde, graças a Deus”.

Qual o problema em dizer ‘’macaco’’? Só porque ela é negra ele já se referiu com injúria contra a mesma? Meu Deus! Como pode, em tempos como o que vivemos, alguém achar que uma força de expressão, um linguajar das pessoas mais antigas, dialeto do povo brasileiro, afete tanto como afetou neste caso. Inadmissível! Fizeram um inferno desnecessário. ‘’Macaco’’ é o mesmo que dizer que a pessoa trabalhou muito, ou que foi alguém ‘’miserável’’, carente de bens materiais (e afins) que o dinheiro possa comprar. Entenderam? Ele quis dizer isso. A Record TV se pronunciou por meio de uma nota e disse isso: “A Record TV vem a público lamentar os transtornos causados à cantora Ludmilla, sua família e seus fãs motivados por um comentário feito pelo apresentador Marcão no ‘Balanço Geral DF’. A Emissora repudia qualquer ato dessa natureza e afirma que este tipo de conduta não está na linha editorial de nosso Jornalismo. Por este motivo, a Record TV Brasília optou por rescindir o contrato do apresentador Marcão.”

Parte da imprensa, não todos, estampou que o Marcão é preconceituoso, só atenuando ainda mais e piorando a situação, favorecendo que o mesmo teve tal pretensão com os dizeres e, querendo ou não, fazendo com que o público (burro, porque só é questão de pensar e analisar os fatos) acreditasse em tal fato, pedindo a ‘cabeça’ do mesmo. Fato esse que não deu para acreditar e causou a demissão do apresentador que elevava os índices da Record TV em Brasília nas alturas.

Antigamente os ‘Trapalhões’ zoavam Mussum na TV como não houvesse amanhã. Hoje, usar um linguajar brasileiro com um negro é incitar o preconceito. Os tempos são outros, mesmo.

Se um moleque ‘sarra no ar’ todo dia no fim de um telejornal no SBT e chamam o tal de jornalista, qual o problema o Marcão usar dialeto de sua terra natal do interior de Tocantins? Povo brasileiro, abram a mente!

Record TV, o mínimo a se ter feito era: ou ele ter se retratado ao vivo ou afastado temporariamente. Demissão foi algo muito precipitado. Eu acho. Ele não quis ofender ninguém, só não souberem entender. Foi mal interpreto e julgado, sim.

Quem perdeu foi a Record TV. Apenas!

Desejo sorte e ainda mais sucesso à Marcos Paulo Ribeiro de Moraes. Sua luz brilha. Não deixe que a apaguem. Aos certinhos e cheios de ‘’mi mi mi’’ que vivem por aí na internet, vão lavar uma louça ou ajudar alguém a atravessar a rua. Faça algo de prazeroso. Faça o bem. Não faça mais injustiça, levantando falsa calunia contra alguém que passou parte da carreira defende o povo, dando à cara pra bater. Pense nisso.

As opiniões aqui retratadas não refletem necessariamente a posição do N10 Entretenimento, e são de TOTAL responsabilidade de seu idealizador.

Publicidade

Allan Santos
Facebook: Allan Santos
Twitter@oallanzinho
E-mail: [email protected]

Publicidade
Compartilhar
Blogueiro e Crítico de TV desde meados de 2009. Reconhecido à nível nacional por minha crítica no Portal Comunique-se, referência para os jornalistas do país. Dedicando-se sempre ao entretenimento e, principalmente, a total credibilidade do gênero televisivo e afins.