Se estivesse vivo, Kurt Cobain completaria 48 anos nesta sexta-feira (20)

Publicidade

0
Publicidade

Há exatos 48 anos nascia uma das vozes mais marcantes e polêmicas do rock. Kurt Cobain, líder do Nirvana, morreu aos 27 anos, em 1994, após cometer suicídio. Dentre suas principais composições, o single Smells Like Teen Spirit, do segundo álbum do Nirvana, “Nevermind”, foi o responsável pelo início do sucesso do grupo e do próprio Kurt, popularizando um subgênero do rock alternativo que a imprensa passou a chamar de grunge.

O Nirvana foi considerada a banda “carro-chefe da Geração X”, e seu vocalista, Kurt Cobain, viu-se ungido pela mídia como porta-voz da geração, mesmo contra sua vontade. Cobain estava desconfortável com a atenção que recebeu, e colocou seu foco na música da banda, acreditando que a mensagem da banda e sua visão artística tinham sido mal-interpretadas pelo público, desafiando a audiência da banda com o seu terceiro álbum In Utero. Desde sua estreia, a banda Nirvana, com Cobain como compositor, vendeu mais de vinte e cinco milhões de álbuns nos Estados Unidos, e mais de cinquenta milhões em todo o mundo.

O Nirvana surgiu numa época em que as bandas de rock de sucesso gostavam do exagero. Roupas glamurosas, solos de guitarra elaborados e muita pose faziam parte do rock ‘n’ roll no início dos anos 90. E Kurt Cobain chegou fazendo o contraponto: calça jeans rasgada, camisa de flanela, cabelo sujo. Tudo era simples, barato e desleixado, então era fácil se identificar com os integrantes da banda. Até hoje, Kurt carrega essa aura de “gente como a gente”, um cara que facilmente sentaria para conversar com você no bar

Morte

No dia 8 de abril de 1994 o corpo de Kurt foi descoberto em uma sala separada acima da garagem na sua casa perto do Lago Washington, em Seattle, nos Estados Unidos, por Gary Smith, um funcionário da Veca Electric, que foi até a casa pela manhã para instalar um sistema de luzes de segurança; ele também achou o que podia ser uma nota de suicídio com uma caneta gravada nela, embaixo de um vaso de flores virado. Uma espingarda, que Kurt havia comprado de Dylan Carlson estava em seu peito. Antes de morrer ele estava escutando o álbum Automatic for the People, da banda americana R.E.M.

O atestado de óbito apontava uma “perfuração de espingarda na cabeça”, o que levou a conclusão que teria sido um suicídio; o atestado também apontava que a morte tinha ocorrido em 5 de abril de 1994

Carta de Suicídio 

Leia a tradução da carta de Kurt Cobain:

Para Boddah
Falando como um simplório experiente que obviamente preferiria ser um efeminado, infantil e chorão. Este bilhete deve ser fácil de entender.

Todas as advertências dadas nas aulas de punk rock ao longo dos anos, desde minha primeira introdução a, digamos assim, ética envolvendo independência e o abraçar de sua comunidade, provaram ser verdadeiras. Há muitos anos eu não venho sentindo excitação ao ouvir ou fazer música, bem como ler e escrever. Minha culpa por isso é indescritível em palavras. Por exemplo, quando estou atrás do palco, as luzes se apagam e o ruído ensandecido da multidão começa, nada me afetava do jeito que afetava Freddie Mercury, que costumava amar, deliciar com o amor e adoração da multidão – o que é uma coisa que totalmente admiro e invejo.

Publicidade

O fato é que não consigo enganar vocês, nenhum de vocês. Simplesmente não é justo para vocês e para mim. O pior crime que posso imaginar seria enganar as pessoas sendo falso e fingindo que estou me divertindo 100 por cento. Às vezes acho que eu deveria acionar um despertador antes de entrar no palco. Tentei tudo que está em meus poderes para gostar disso (e eu gosto, Deus, acreditem-me, eu gosto, mas não o suficiente). Me agrada o fato de que eu e nós atingimos e divertimos uma porção de gente. Devo ser um daqueles narcisistas que só dão valor às coisas depois que elas se vão. Eu sou sensível demais. Preciso ficar um pouco dormente para ter de volta o entusiasmo que eu tinha quando criança.

Em nossas últimas três turnês, tive um reconhecimento por parte de todas as pessoas que conheci pessoalmente e dos fãs de nossa música, mas ainda não consigo superar a frustração, a culpa e a empatia que tenho por todos. Existe o bom em todos nós e acho que eu simplesmente amo as pessoas demais, tanto que chego a me sentir mal. O triste, sensível, insatisfeito, pisciano, pequeno homem de Jesus. Por que você simplesmente não aproveita? Eu não sei! Tenho uma esposa que é uma deusa, que transpira ambição e empatia, e uma filha que me lembra demais como eu costumava ser, cheia de amor e alegria, beijando todo mundo que encontra porque todo mundo é bom e não vai fazer mal a ela. Isto me aterroriza a ponto de eu mal conseguir funcionar. Não posso suportar a ideia de Frances se tornando o triste, autodestrutivo e mórbido roqueiro que eu virei.

Eu tive muito, muito mesmo, e sou grato por isso, mas desde os sete anos de idade passei a ter ódio de todos os humanos em geral. Apenas porque parece muito fácil se relacionar e ter empatia. Apenas porque eu amo e sinto demais por todas as pessoas, eu acho. Obrigado do fundo de meu nauseado estômago queimando por suas cartas e sua preocupação ao longo dos anos. Eu sou mesmo um bebê errático e triste! Não tenho mais paixão, então lembrem, é melhor queimar do que se apagar aos poucos. Paz, Amor, Empatia.

Kurt Cobain

Frances e Courtney, estarei em seu altar. Por favor, vá em frente, Courtney, por Frances. Pela vida dela, que vai ser bem mais feliz sem mim.

EU TE AMO, EU TE AMO!

Vídeos:

Confira abaixo alguns sucessos do Nirvana

Smell Like Teen Spirit (1991)

Lithium (1992):

Come As You Are (1992)

Publicidade
Compartilhar