Câmera Record 25/06/2017 – triste realidade do trabalho infantil no Brasil

Publicidade

0
Foto: Divulgação

No “Câmera Record” deste domingo, dia 25/06, Um dado triste e preocupante: quase três milhões de crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos trabalham no Brasil. A maioria, no campo, segundo o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Cruzeiro do Sul, no Acre, é uma das maiores produtoras de farinha de mandioca. São 23 milhões de quilos por ano. Lá, crianças trabalham como gente grande e ajudam os pais a pagarem dívidas. Meio sem jeito, Júlio (nome fictício) afirma: — Eu ganho R$ 200 por mês, dou tudo para minha família.

No Nordeste, crianças arriscam a própria saúde limpando tripas de boi em matadouros públicos. Incentivados pelos próprios familiares, muitos abandonam a escola em troca de R$20 por dia. Um adolescente de 16 anos revela — Compro roupa, ajudo em casa, compro chinelo, tudo!

Em meio as belezas da Amazônia paraense, meninos usam os pés e as mãos na produção de telhas nas olarias clandestinas da região. Eles chegam a preparar 100 telhas por dia para ganhar apenas R$ 7. Um serviço pesado, perigoso, que pode comprometer a vida deles para sempre.

— De manhã eu vou trabalhar às oito horas, sete horas, depois volto pra casa pra almoçar, volto de novo, meio dia, uma hora. Aí, paro quatro horas, cinco horas, e vou para casa.

Câmera Record também investiga a existência de trabalho infantil nas carvoarias do Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais. A equipe do programa rodou mais de mil quilômetros pelo estado mineiro e encontrou um homem que assume contratar menores de idade. Mão de obra mais barata aumenta o lucro, segundo ele.

O programa vai ao ar a partir das 23h15, logo após o “Domingo Espetacular”, na Record.

Compartilhar
Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.

Deixe um comentário