A epopéia de “The Girl Is Mine”, hit de Michael Jackson e Paul McCartney

Publicidade

0

Michael Jackson e Paul McCartney já foram amigos, mas depois brigaram. Saiba o porquê a aproximadamente 30 anos, Michael Jackson deixava o tribunal em Chicago (EUA), local onde ele iria passar mais algumas vezes. Naquele momento o cantor não respondia por nenhuma acusação sexual, era processado por um rapaz chamado Fred Sanford, que relatava ser o responsável pela composição “The Girl Is Mine”, que Michael teria plagiado.

Esta música causou tanta dor de cabeça para o cantor. A música “The Girl Is Mine” foi feita para o álbum “Thriller” (1982), para ser gravada com a participação do Beatle Paul McCartney. No ano anterior, eles foram ao estúdio para gravarem juntos “Say Say Say”, para o disco “Pipes of Peace”: um grande sucesso.

Quando lançada “The Girl Is Mine” em estantes virou hit: chegou à 2ª posição da Billboard com as vendas de 1,3 milhões de cópias até o início de 1985.

O primeiro processo ocorreu quando o rapaz chamado Fred Sanford acusou Michael Jackson de plágio e a disputa foi levada para a justiça. Fred tinha, em mãos uma gravação de “Please Love Me Now” (que seria a base para a música “The Girl Is Mine”) anterior à gravação da música de Jackson. Sanford reivindicava uma indenização de 5 milhões de dólares. Mas após três dias, foi definido que Michael não plagiou Fred.

Parecia estar tudo certo, a não ser que em 1993, outro processo aconteceu. Michael foi acusado de copiar três músicas, estando incluída “The Girl Is Mine”. Uma dupla formada por Reynaud Jones e Robert Smith afirmou também “Thriller” e “We Are The World” eram muito semelhantes com as suas. E Michael foi disputar no tribunal. E novamente Michael ganhou a disputa, todas as três canções eram dele mesmo.
Apesar de existir parcerias entre Michael e Paul eles faziam um grande sucesso e assim havia retorno financeiro para os dois, a amizade acabou em 1984, quando os direitos autorais de músicas dos Beatles como “Yesterday” e “Let it Be” foram vendidas (após a morte de John Lennon).
Michael arrematou os copyrights na ocasião, tendo ciência de que Paul estava projetando uma compra conjunta dos direitos com Yoko Ono. Foi aí que todo o lucro arrecadado com a execução das músicas foi direcionado para Michael, sem que Paul recebesse sua parte.
Não é preciso nem imaginar que isso causou uma forte inimizade entre eles dois, que talvez só seria desfeita no plano superior. No ano passado, quatro anos depois da morte de Michael, Paul em fim conseguiu recuperar os direitos. Uma lei americana que diz que os direitos tornam-se propriedade do autor após 56 anos foi vigorada e McCartney vai se beneficiar.

Compartilhar

Deixe um comentário