Luca Entrevista Luca Moreira

“Julgar menos e viver mais”, diz Carolina Stofella para Luca Moreira

“Julgar menos e viver mais”, diz Carolina Stofella para Luca Moreira

Em cartaz até 16 de setembro no Teatro Aliança Francesa, a peça “Eles Não Usam Black Tie” marca o segundo trabalho da atriz Carolina Stofella e o diretor Dan Rosseto. De grande apelo político, a obra encena a vida dos operários nos anos 50. Pela primeira vez, dava-se espaço para a representação dos não privilegiados na caixa cênica.

Na pele de Dalva, uma mulher solar e franca, Carolina Stofella encara um novo desafio de interpretar uma personagem dinâmica que traz consigo uma mensagem social e política e que, nessa adaptação de Dan Rosseto, tem mais espaço para mostrar a sua verdade ao público.

Como está sendo trabalhar com o diretor Dan Rosseto?
Dan é um diretor que assiste todas as apresentações. É apaixonado pelo seu ofício e trabalhar com ele me deixa muito feliz. É o nosso segundo espetáculo juntos. É um diretor que sabe muito bem o que quer, mas que, também. me dá uma liberdade enorme para criar. Eu estudo e pesquiso muito, gosto de propor e trabalhar com liberdade é um presente.

Vivendo a personagem Dalva na peça “Eles Não Usam Black Tie”, o que te inspirou na hora de construir seu personagem?
Dalva é uma mulher muito alegre e solar e isso eu tenho em mim. Mas é também firme, segura e direta. Eu me inspirei em mulheres seguras, que gostam de chegar chegando… Gostam de ser notadas. Também fiz uma pesquisa corporal e procurei uma voz específica, ela tem um tom acima. Sabe que quando comecei a estudar a essa personagem eu fiquei um pouco apreensiva? Eu pensava: Como eu vou fazer esse mulherão? E então, um dia, um colega de elenco me disse: Carol, você é uma mulher muito bonita, mas a Dalva é maravilhosa, ela é exuberante! E aí eu fiquei feliz da vida e pensei: Consegui!

Conte-nos um pouco sobre sua convivência com o elenco.
Esse elenco é incrível e muito unido dentro e fora de cena. É muito boa a energia trocada no camarim e a generosidade no palco. O teatro tem dessas coisas, traz colegas especiais que se tornam amigos para toda a vida.

De onde veio o convite para integrar o elenco da produção?

O convite veio do produtor Fábio Câmara, que costuma escolher os atores com o diretor Dan Rosseto. No ano passado fizemos uma peça juntos e a parceria deu muito certo. Temos mais projetos em mente. Aguardem!

O enredo da apresentação aborda assuntos muito sérios como o apelo politico e a vida dos operários nos anos 50. Quais são os desafios de tratar desses temas na atualidade?
A política é um pano de fundo nesse espetáculo. Nós nos concentramos nas relações pessoais. na importância do diálogo, coisas que estamos perdendo hoje em dia. Não estamos nos ouvindo. Queremos impor nossa opinião e quem discordar simplesmente excluímos das nossas vida. É uma loucura. É uma oportunidade muito valiosa poder levantar essas questões no palco. Algumas pessoas vieram me contar que foram pra casa discutindo sobre Coletividade e individualismo, que é o grande conflito deste espetáculo. É motivador mexer com o público e provocar uma reflexão.

Deixe uma mensagem.
Vamos julgar menos e viver mais!

Sobre o autor | Website

Luca Rocha Moreira, nascido na manhã de 14 de maio, 1998 na cidade de Niterói, filho de Lucia Maria Rocha e Luiz Carlos Falcão Moreira, um designer gráfico que morreu em 2012 vítima de câncer de pulmão. Em 2008, ele foi morar com sua mãe e seu padrasto, o veterinário Vladimir Fernandes, que já era pai de seu irmão Eduardo Rocha, e que alguns anos depois adotou sua irmã mais nova, Camila, em Macapá. Além desses dois, Luca também é irmão de Leonardo e Alexandre Tristão. Seu avô materno era comissário de bordo da Varig, falida em 2006. Iniciou o ensino médio na Escola Técnica Estadual Henrique Lage, onde cursou o técnico integrado em engenharia naval. Em 2015, Moreira começou a fazer um curso de formação de atores profissionais, fazendo testes em aula como ''Navalha na Carne'' do autor Plínio Marcos. Mas depois de cinco meses de treinamento, ele começou a ter problemas com sua classe, pois incomodou seus colegas por não serem tão fáceis de incorporar seus personagens na primeira vez, o que o deprimiu. Ele teve aulas com o professor e ator profissional Alécio Abdon, que participou de algumas novelas da Rede Globo. Sua base de estudos foi através do dramaturgo russo Constantin Stanislavski. Atualmente estudando jornalismo na Universidade Estácio de Sá, iniciou seus estudos acadêmicos em março de 2018, antigamente no curso de publicidade, mais no segundo período, decidiu se mudar para o jornalismo, analisando contato e sua facilidade na área. Lá ele também participou de projetos estudantis, como ter entrado como editor do principal jornal interno da faculdade, ''O Estaciente''. Ali publicou vários artigos que escreveu, como os de Rodrigo Tardelli e Babi Xavier. Em seu tempo no jornal interno da universidade, ele teve a oportunidade de experimentar outros assuntos fora do mundo artístico e celebridades, como as eleições presidenciais no Brasil em 2018, onde ele foi responsável por escrever sobre os quatro candidatos que lideravam a presidência: Jair Bolsonaro, Marina Silva, Geraldo Alckmin e Ciro Gomes. Em março de 2016, Luca foi descoberto em sua página no Facebook, no qual veio a mudar de assunto várias vezes, escrevendo assuntos como esportes, nutrição e por fim, sobre cultura, por esse assunto, Moreira foi descoberto por uma produtora de teatro profissional localizada na Barra da Tijuca, onde foi convidado para fazer seu primeiro estágio, ainda cursando o ensino médio. Seis meses depois, fez um acordo para divulgar o filme ''O Grande Circo Místico'', dirigido pelo premiado diretor Cacá Diegues, que por causa de um problema, o fez renunciar a sua posição. Naquela época, Luca conhecia seus primeiros contatos com o meio profissional, como a atriz Rayssa Bratillieri, que mais tarde fez a personagem Pérola Mantovani em “Malhação – Vidas Brasileiras”. Primo dos atores Giulliana Succine e Miguel Rivas, sempre ajudou Giulliana com sua assessoria, que em dezembro de 2017, se juntou a Esdras Ribeiro, que na época possuía um conjunto de sites, onde ele começou a escrever seus primeiros assuntos como colunista. Sua primeira tentativa de escrever uma entrevista foi com o ator Pedro Carvalho, que estava no auge de sua carreira com a novela ''Escrava Mãe'', exibida pela Record TV. Seu primeiro artigo profissional foi lançado no dia 30 de janeiro de 2017, quando conheceu a atriz Malu Falangola, que estava na Rede Globo naquela época. Após uma curta temporada como o extinto ''Almanaque Mídia'', ele recebeu a infeliz notícia de que o portal estaria fechando devido a problemas de gestão. Uma semana depois, Daniel Neblina, um jornalista de Brasília que já estava o observando, o chamou para entrar no ”RegistroPOP'', onde ele teve o reconhecimento de seu trabalho decolando com artistas como Adriano Alves, Larissa Manoela, Thomaz Costa, Larissa Maciel, Sophia Abrahão e Lua Blanco. Em 11 de maio de 2018, depois de ficar mais de um ano na redação, ele já havia feito história em mais de 9 portais diferentes. Em março de 2018, iniciou sua carreira internacional, quando entrevistou a cantora americana Megan Nicole, de quem gostava desde a infância. Um tempo depois veio a atriz Violett Beane, estrela da série ''The Flash''. Cinco meses depois da entrevista com Beane, conheceu através do Facebook, a atriz Chloe Lang, que entre os anos de 2013 e 2014, interpretou a personagem Stephanie Meanswell na série infantil LazyTown, exibida pelo Discovery Kids, indo ao ar em setembro daquele ano.

Deixe um comentário

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.