Lendico oferece dicas para não se atrapalhar com as despesas do início do ano

    Publicidade

    0
    Foto: Reprodução/Internet

    Janeiro, 2018 – Começo de ano, a época do sufoco para muitos cidadãos: IPTU, IPVA, contas de água, luz, telefone e cartão de crédito acima da média com as despesas do final do ano. Para os pais, matrícula e material escolar. O que fazer nessa hora para fugir do endividamento?
    Marcelo Ciampolini, CEO da Lendico no Brasil, plataforma online especializada em empréstimos pessoais, oferece cinco dicas simples para fugir das dívidas nesse início de ano.

    1. Planejamento
    A palavra que define a rotina de alguém que possui uma saúde financeira estável é planejamento. Quem não se organiza já está atrasado e pode estar perdendo dinheiro em gastos aleatórios e supérfluos. Por isso, a principal dica é: planejamento. Uma planilha de controle de gastos é um ótimo começo e pode trazer melhorias a curto prazo para sua saúde financeira.

    2. Priorização
    Quando colocar todas as contas fixas no papel, a prioridade de quem deseja se organizar melhor deverá ser com os gastos que envolvam moradia, como IPTU, aluguel, condomínio, água, luz e gás. Priorizar as despesas é o segundo passo para não deixar as contas virarem uma bola de neve.

    3. Cuidado com o cartão de crédito
    É muito importante não aumentar ainda mais uma dívida. Se a causa vem do cartão de crédito, é importante parar de gastar o limite. Caso contrário, a situação ficará fora de controle, fazendo com que a dívida cresça e se torne quase impossível de eliminar.

    4. Não acredite no cheque especial
    O cheque especial possui juros altíssimos e é uma cilada para quem não consegue se planejar. Esse tipo de linha de crédito só deve ser usado quando se tem a certeza de pagamento em curto prazo, afinal, junto com o cartão de crédito, o cheque especial possui os juros mais altos do mercado.
    5. Transferir a dívida pode?
    Transferência de dívida é uma troca em que é possível substituir um gasto maior por outro menor. É vantajoso quando a dívida já existente possui juros elevados – como na maioria dos casos. Nessas situações, a alternativa é útil pois é possível diminuir significativamente os custos fixos. Uma maneira de se conseguir pode ser por meio de um empréstimo, onde o valor tomado consiga amortizar ou liquidar a conta.

    Compartilhar

    Deixe um comentário