Notícia Luca Moreira - MTB 39227/RJ

“Para Bailar La Bamba” é sucesso na Baden Powell

“Para Bailar La Bamba” é sucesso na Baden Powell

Peça, com direção e texto de Rayssa de Castro, lotou os dois dias de sua apresentação em Copacabana, no Rio de Janeiro.

‘Estou alegre com os resultados’, diz com ar vitorioso a atriz e diretora Rayssa de Castro sobre o espetáculo ‘Para Bailar La Bamba’, onde ela assina o texto e, aliás,
assina sua primeira direção. Por isso a alegria com o projeto que lotou a sala Baden Powell nos dois de apresentação semana passada, 28 e 29 de Junho, fazendo com que  a fila saísse do teatro.

‘É uma maravilha, para a minha primeira vez, numa peça que estamos trabalhando há tanto tempo, receber um público tão caloroso e alegre assim’, completa Rayssa, que
além de diretora, também é produtora e humorista. ‘É muito bom a gente se enveredar por outros campos e me descubro também em ‘Para Bailar La Bamba’ como diretora, amei a experiência com musical’, completa a atriz.

O musical foge do padrão clichê, não é “importado”, é uma livre inspiração na vida do cantor Ritchie Valens que faleceu precocemente num acidente de avião no auge da
fama, nos Estados Unidos, em 3 de Fevereiro de 1959. É este o mote principal que Rayssa desenvolve o texto de fácil compreensão pelo público recheado de músicas do
único disco, “C’amon, Let’s Go!”, que Valens gravou em estúdio e incluindo vários outros sucessos da época (anos 50) sendo cantadas por atores cantores em cenas
emblemáticas.

Para esta primeira temporada de ‘Para Bailar La Bamba’, Rayssa convidou um time de peso, desde o maestro musical à magnifica banda que acompanha os atores em cada
número no palco, o que fazia o público ir ao delírio. Para toda esta condução e divisão nas tarefas de direção, Ivan Cid, maestro renomado, ficou encarregado de dar
voz às letras da peça. Cada ator deu o melhor de si tendo o profissional que se apressava todas as manhãs para os ensaios no mesmo teatro Baden Powell. Era como uma
prece matinal, Ivan Cid chegava, esperava os atores tomarem café e ensaiava suas vozes e as canções do espetáculo.

Para dar vida a Richie Valens, surge o ator Kalel de Oliveira que se entregou a cada fala e a cada letra dos maiores sucessos de Richie. Kalel ganhou seu primeiro
protagonista no teatro após várias peças e papéis na TV. Seu último trabalho na TV foi na novela ‘Terra Prometida’, da TV Record.

“Sensações maravilhosas de realização e gratidão pela oportunidade e confiança de toda a produção do espetáculo. Muito legal poder interpretar um astro do rock dos
anos 50, com uma história tão bonita e infelizmente trágica. Ritchie Valens nos deixou vários legados com uma trajetória de sucesso meteórico, com mensagens
maravilhosas, dentre elas, acredite nos seus sonhos, nunca desista. É uma honra participar desse projeto e poder contar um pouco da história desse astro”, diz Kalel
sobre sua experiência.

Já Donna, a namorada de Ritchie Vallens, é interpretada pela doce atriz Ana Zimmer que dá um banho de entrega do personagem, o mesmo faz a grande interpretação de
Viviane Delfino, que faz a mãe de Ritchie, lutando pelo sucesso do filho e comovendo todo o público quando descobre sobre a partida do rapaz de 17 anos. Já Roberto,
o irmão mais velho, é interpretado com surpreendente entrega pelo ator Wagnera que, aliás, faz parte da banda da peça, tocando bateria, ao lado de Mário Zazu, no
baixo, e Henrique Ayres, na guitarra. Já Rose é intepretada pela cantora e atriz Thayene Oliveira, debutando em seu primeiro musical para teatro. Paulo Fernandes faz o
produtor Bob Keane, que descobriu o talento de Ritchie Valens. Buddy Holly é interpretado pelo ator Zacky Barreto, o ator debuta em musicais. O alívio cômico da peça
fica com o ator Henrique Lopes.

A peça continuará em turnê pelo Rio de Janeiro e retornará para a Sala Baden Powell em meados de Setembro.

Deixe um comentário

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.