Pequenas Empresas e Grandes Negócios – 29/04/2018: representatividade negra nos negócios

Publicidade

0
Foto: Divulgação

No Pequenas Empresas e Grandes Negócios deste domingo, dia 29/04, representatividade negra nos negócios.

Incentivar consumidores negros a comprarem de empreendedores negros. Essa é a ideia de Black Money, conceito criado nos Estados Unidos e que chegou em terras brasileiras no intuito de estimular a inovação, a geração de negócios e as oportunidades de trabalho para a população negra.

O programa deste domingo entrevista a presidente do movimento no Brasil, Nina Silva, e aborda o aumento da representatividade dos afrodescendentes no mundo dos negócios. Segundo a reportagem, os negros são a metade dos 27 milhões de empreendedores do país, mas são os que faturam menos e que têm mais dificuldades de conseguir empréstimos em banco.

O ‘PEGN’ vai até a Rua Augusta, no centro de São Paulo, onde foi inaugurado um empreendimento que faz parte dessa mudança. A proposta é um espaço gastronômico para o público negro, organizado por um empresário que identificou a prática no exterior. Além de tocar rap, a hamburgueria defende a inclusão social e vende sanduíches com nomes de negros famosos. Dessa forma, a marca aproveita a oportunidade oferecida por uma parcela que representa 54% da população nacional e que movimentou cerca de R$ 1,5 trilhão na economia só no ano passado.

Foi pensando nisso também que nasceu a startup financeira de Sérgio All, idealizada especialmente para o público negro. A conta digital faz transferências, pagamentos, cobranças e opera créditos em parceria com outras instituições financeiras, o que a isenta da autorização do Banco Central. O fenômeno atraiu 500 clientes, dos quais 80% são negros. A meta é chegar em 10 mil e atrair ainda mais investidores e financiamentos para o ano que vem.

O programa vai ao ar logo após mais uma edição do “Globo Comunidade”, começando a partir das 07h00, na Rede Globo.

Compartilhar
Catarinense e estudante de direito. Escrevo sobre entretenimento desde 2010, mas comecei com política internacional depois da campanha americana de 2016. Adoro uma premiação e um debate político, mas sempre estou lendo ou assistindo algo interessante. Quer saber mais? Me pague um café e vamos conversar.

Deixe um comentário